‘Cerberus’ reforça segurança no Compaj as vésperas de completar 2 anos de massacre

Compaj é o maior presídio de Manaus e serviço pelo WhatsApp pretende prevenir contra fugas (Foto: Seap/Divulgação)

Compaj é o maior presídio de Manaus e 56 presos foram chacinados no local em janeiro de 2017 (Foto: Seap/Divulgação)

Da Redação

MANAUS – A 26 dias de completar dois anos do massacre do Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), a SSP-AM (Secretaria de Segurança Pública do Amazonas) deflagrou a Operação Cerberus de reforço na segurança dos presídios de Manaus. A chacina ocorreu na madrugada do dia 1º de janeiro de 2017 e 56 presos foram assassinados na unidade prisional, muitos foram esquartejados. Entre as medidas de segurança, a SSP informou que aumentou o número de policiais militares na muralha do presídio e intensificou o patrulhamento com helicóptero pelo Departamento Integrado de Operações Aéreas.

Na época, outros 225 detentos fugiram do Compaj e do Ipat (Instituto Penitenciário Antônio Trindade). No último sábado, um agente de socialização da Umanizzare, empresa responsável pela administração de algumas das penitenciárias no Estado, foi assassinado no local. A Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária informou que foi uma represália pelas revistas nas celas e, na segunda-feira, retirou eletrodomésticos e eletroeletrônicos mantidos como regalias aos presos aumentando a tensão. O agente Alexandre Rodrigues Galvão foi morto a golpes de estoque (faca improvisada).

A assessoria da SSP informou que apenas a Seap sabe sobre a rotina de visitas no presídio. Consultada pelo AUAL, a secretaria não se manifestou sobre se também adotará reforço na segurança neste mês. O ATUAL fez contato com a assessoria da Seap por telefone e e-mail, mas não obteve resposta.

O massacre do Compaj foi resultado de uma guerra entre facções criminosas pelo controle dos presídios no Amazonas. O caso, segundo investigação do Ministério Público, envolveu o PC (Primeiro Comando da Capital) e a FDN (Família do Norte).

A Operação Cerberus é referência ao monstro da mitologia. O nome significa ‘o demônio do poço’ ou ‘cão do inferno’ na mitologia grega. Ele era um monstruoso cão de três cabeças que guardava a entrada do Hades, o reino subterrâneo dos mortos, deixando as almas entrarem mas jamais saírem, despedaçando os mortais que por lá se aventurassem.

Seja o primeiro a comentar on "‘Cerberus’ reforça segurança no Compaj as vésperas de completar 2 anos de massacre"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.