“Se é governo, tem que ser governo”, diz Temer

Presidente interino, Michel Temer Foto Beto BarataPR

Presidente Michel Temer cobrou dos seus ministros um comprometimento (Foto:Beto Barata/PR)

BRASÍLIA – O presidente Michel Temer cobrou dos seus ministros um comprometimento com as ideias do governo e que não hesitem em defendê-lo das acusações de que o impeachment de Dilma Rousseff foi um golpe. Ao dar início à primeira reunião com sua equipe, Temer afirmou que será “inadmissível” qualquer tipo de divisão em sua base parlamentar e determinou que “se é governo, tem de ser governo”.

Dizendo-se animado após ter sido recebido, ao lado de seus ministros, “com muito entusiasmo” no Congresso Nacional, ele pediu que a tese de golpista seja contestada.

“Golpista é você que está contra a Constituição Federal. Não estamos propondo ruptura constitucional. Nós somos de uma discrição absoluta. Jamais retrucamos [no passado] palavras em relação ao nosso governo, [críticas] à nossa conduta. Mas agora não vamos levar ofensa para casa”, ordenou, pregando que sua equipe tem “elegância absoluta” mas também que “é preciso firmeza”.

“Isso aqui nao é brincadeira, nem ação entre amigos ou ação contra inimigos”, cobrou o presidente, pedindo que seus ministros não “tolerem” acusações de que os parlamentares se arrependeram do processo de impeachemnt ao conceder a Dilma o direito de exercer funções públicas.

(Da Agência Brasil)

Seja o primeiro a comentar on "“Se é governo, tem que ser governo”, diz Temer"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.