Governo desiste de comprar soro mais caro; fornecedores vão entregar o produto

Da Redação

MANAUS – Em reunião, nesta terça-feira, 15, com fornecedores de medicamentos e produtos para saúde, o governador em exercício e secretário estadual de Saúde, Carlos Almeida Filho, informou que o Estado não vai mais precisar comprar soro fora do Estado, pagando um preço R$ 9,33 mais caro pelo frasco.

A compra emergencial foi suspensa depois que um fornecedor informou à Susam (Secretaria de Saúde do Amazonas) que teria condições de atender a necessidade de soro para evitar o desabastecimento até que o Estado faça novas aquisições de forma planejada.

O fornecimento de soro foi suspenso pelo fornecedor por conta de atraso no pagamento pelo governo. Como o contrato foi feito com ata de registro de preços, o novo governo pediu que o fornecedor voltasse a abastecer as unidades de saúde e se comprometeu a fazer os pagamentos em atraso.

“Da feita que foi anunciada essa situação crítica do Estado, os fornecedores que tinham atas com o Estado do Amazonas acabaram informando que existia uma logística para fornecimento ao longo desta semana, que dispensaria a aquisição de forma aérea. E um dos motivos disso é justamente que o Estado se encontra em débito com esses fornecedores [das gestões passadas], o que teria causado uma evidente recalcitrância. Um dos motivos dessa reunião é inclusive para evitar que situações como essa se repitam”, afirmou Carlos Almeida.

Na reunião com fornecedores o Carlos Almeida Filho pediu a colaboração dos empresários no trabalho de reabastecimento de medicamentos e PPS previstos em atas de registro de preços já aprovadas pelo governo, principalmente nos casos de itens essenciais para o funcionamento das unidades.

“Nós precisamos da colaboração dos fornecedores com o cumprimento das atas de registro de preço, até porque isso é lei. E precisamos que os fornecimentos que são emergenciais possam ser observados com a devida responsabilidade pelos fornecedores, para que não haja desabastecimento e prejuízo à vida nas unidades de saúde”, disse o vice-governador ao final da reunião.

Entre as obrigações do novo governo, Carlos Almeida disse aos 16 fornecedores que participaram da reunião que o Estado trabalhará para honrar com os pagamentos correntes, além de realizar uma análise criteriosa das dívidas em aberto deixadas pelas gestões anteriores. Outro compromisso assumido pelo secretário de Saúde foi dar transparência ao calendário de repasses às empresas, uma reivindicação antiga dos empresários.

“Temos que ter a responsabilidade com os pagamentos dos débitos correntes. É compromisso da gestão Wilson Lima o pagamento dos débitos correntes e a análise dos débitos pretéritos, com responsabilidade, para que o Estado cumpra sua parte, mas também que os defensores não deixem descobertas as obrigações contratuais”, afirmou Carlos Almeida.

Em visita à Cema (Central de Medicamentos do Amazonas), na quinta-feira, 10, o governador Wilson Lima constatou a situação crítica de fornecimento de itens básicos para a rede estadual de saúde. Além de 75% dos estoques zerados, o governador verificou a existência de remédios vencidos, que somam um prejuízo estimado em R$ 2 milhões. Na ocasião, Wilson Lima anunciou medidas para aquisição emergencial de medicamentos.

Seja o primeiro a comentar on "Governo desiste de comprar soro mais caro; fornecedores vão entregar o produto"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.