Procuradoria acusa 32 por fraudes na Lei Rouanet, na Operação Boca Livre

Recursos do Ministério da Cultura teria sido usados para bancar casamento de Felipe Vaz Amorim (Foto: Reprodução)

Do Estadão Conteúdo

BRASÍLIA – A Procuradoria da República, em São Paulo, apresentou denúncia à 3.ª Vara Federal Criminal, na Operação Boca Livre, que investiga fraudes na Lei Rouanet. São 32 denunciados por um rombo de R$ 21 milhões. Os crimes estão descritos em denúncia de 167 páginas.

O Grupo Bellini, principal alvo da Boca Livre, teve seus executivos acusados pelos crimes de organização criminosa, estelionato contra a União e falsidade ideológica. Segundo a denúncia, o Grupo Bellini era estruturado, mantinha hierarquia e divisão de funções, características de organização criminosa.

A Procuradoria aponta que o grupo forjava execução de projetos culturais. O Ministério Público Federal sustenta que o Bellini simulava esses projetos.

Executivos ligados às empresas patrocinadoras foram denunciados por associação criminosa e estelionato contra a União. A Procuradoria pede que as empresas que teriam se beneficiado do esquema sejam proibidas de contratar com o poder público e receber novos aportes via Lei Rouanet.

Várias empresas, depois que a operação foi deflagrada, procuraram o Fisco e recolheram imposto de renda sobre as operações. Com essa estratégia, elas tentaram livrar seus executivos da denúncia criminal. Mas a Procuradoria sustenta que a trama vai muito além de uma mera sonegação fiscal.

A investigação mostra que o Bellini e as empresas patrocinadoras se associaram para, em troca dos aportes do Tesouro, obterem eventos institucionais.

A Polícia Federal, no relatório final da Operação Boca Livre, estimou em R$ 30 milhões o rombo. Na ocasião, a PF indiciou empresários, um advogado e executivos de grandes companhias – laboratórios, montadora, farmacêutica e até banca de advocacia -, por estelionato contra a União e associação criminosa. Alguns foram enquadrados também em falsidade ideológica.

‘Boca Livre’

Operação foi deflagrada em 28 de junho de 2016. A ação precedeu a Operação Boca Livre S/A, que saiu às ruas em outubro do ano passado e fez buscas em 29 empresas – patrocinadoras que atuaram em conjunto com o Grupo Bellini, ‘associando-se aos seus integrantes com o fim exclusivo de desviar recursos’.

A PF evitou um rombo ainda maior, de mais R$ 58 milhões, com a identificação de projetos fraudados que estavam em curso e que permitiriam ao Grupo Bellini captar recursos nesse montante. O relatório final da primeira operação foi encaminhado ao Ministério Público Federal.

“Não estamos diante de uma mera sonegação fiscal. Eles contribuíram com o Grupo Bellini em parceria, tinham intuito de que projetos de cunho privativo e corporativo fossem realizados com recursos públicos que deveriam ser destinados a projetos culturais. Essas empresas agiam em conluio para desviar recursos e não cumpriram o objetivo expresso da Lei Rouanet. Isso é muito mais do que um mero não recolhimento de impostos, é querer transformar dinheiro público em evento institucional”, afirmou a delegada de Polícia Federal Melissa Maximino Pastor, que presidiu o inquérito.

 

Seja o primeiro a comentar on "Procuradoria acusa 32 por fraudes na Lei Rouanet, na Operação Boca Livre"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.