p>


Uma mudança de agenda: desenvolver a Amazônia

A agenda precisa evoluir do proteger a Amazônia para desenvolver a Amazônia. Por qual razão? Porque isso nos interessa. Só para quem mora aqui? Certamente interessa para quem mora aqui e para toda a humanidade, porque daqui podem sair fármacos maravilhosos. Então, por que não se faz isso? Porque as pessoas da região ainda não decidiram se desenvolver.

Em minha visão: pensamento ruim, falta de necessidade e baixa prioridade têm sido as causas seculares que nos têm afastado da vocação de natureza rica e sociedade rica. Alguém nos contou que era melhor manter a floresta preservada, o que é verdade, mas é uma verdade parcial. É melhor manter a floresta preservada, mas também é melhor gerar riqueza a partir da floresta. Precisamos transcender a meia verdade e partir para a verdade absoluta.

Fazer isso não será fácil. Se fosse fácil, todos os rincões do mundo seriam desenvolvidos e ricos. Eu gostaria de ser rico, mas não tenho nada contra quem é rico por seus méritos, sua competência e realizações empreendedoras lícitas. Também não tenho nada contra quem quer ser pobre por vocação ou por conveniência. Cada ser humano pode ser o que quiser. Todavia, não posso ser obrigado a ser pobre porque meia dúzia de gringos acham que não devemos explorar a Amazônia. Nem brasileiros eles são.

No final de agosto, acontecerá o amas – Amazonian Management Symposium. O nome em inglês começa assustando, por dar a impressão de ser algo de mais um gringo querendo definir como nada fazer na região. Entretanto, quem organiza é a USP, a principal Universidade do país e a UEA, a universidade estadual do Amazonas. O apoio para o evento vem da Fapeam (órgão de fomento à pesquisa do Amazonas), Fiocruz (um dos principais centros de Ciência & Tecnologia para a saúde no país), do CNPq e da Capes. Isso muda tudo. Todos têm a legítima possibilidade de direcionar a gestão da região e a junção destes pode ser uma das melhores oportunidades para os próximos passos no sentido do desenvolvimento responsável.

O primeiro dia será para lançar sementes para o futuro, com conceituações e visitas. O segundo dia terá um Painel sobre Ciência, Tecnologia & Inovação e outro sobre Sustentabilidade, Biodiversidade e Clima. Ao longo do segundo dia também serão presentados artigos científicos e negócios com uso dos recursos da região.

O último dia trará um Painel sobre Governança, Políticas Públicas e Incentivos, seguido de debates que tem um potencial precioso, como o de estabelecer o papel das ONGs nas políticas da região, seguido da apresentação de artigos científicos. Fica a torcida que os caminhos e prioridades de ações saiam do evento, porque precisamos também da Amazônia para criar uma esperança de desenvolvimento do país, que está mergulhado em um momento de profundo desânimo.

 

Seja o primeiro a comentar on "Uma mudança de agenda: desenvolver a Amazônia"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.