Secretário pede apoio ao TCE para resolver ‘gravidade’ na saúde

Francisco Deodato se comprometeu em apresentar raio X da saúde no Estado ao TCE na próxima semana (Foto: Divulgação)

Da Redação

MANAUS – O secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, anunciou que irá entregar, na próxima semana, à Rede de Controle do Amazonas (TCE, MPC MPE, MPF, CGU, AGU, TCU e PF) um raio X detalhado da situação real em que se encontra a saúde no Estado. A intenção é obter o apoio dos órgãos de controle para resolver problemas em contratos.

Deodato anunciou a entrega do relatório ao presidente do TCE (Tribunal de Contas do Amazonas), Ari Moutinho Júnior, na manhã desta segunda-feira, 9. Conforme o secretário, é necessário alertar servidores, autoridades e a população sobre “a gravidade” da situação da saúde, com déficit de mais de R$ 400 milhões. “Queremos criar as condições necessárias para honrar os compromissos assumidos. Estamos fazendo tudo de forma juridicamente correta, respeitosa e transparente”, disse.

O secretário disse que o relatório terá os valores dos contratos e as empresas contratadas e um panorama sobre a prestação de serviço nas unidades de saúde na capital e interior. “Vim aqui pedir o apoio do conselheiro Ari Moutinho Júnior, que, sabendo da importância da saúde e do quadro em que ela se encontra, vai intermediar esta reunião com os órgãos da rede de controle”, disse Deodato.

Fazem parte da rede de Controle do Amazonas o TCE-AM, MPF, Ministério Público de Contas, Controladoria-Geral da União, Polícia Federal e Ministério Público do Estado do Amazonas, Advocacia Geral da União.

No Estado, a Rede de Controle contribuiu, por exemplo, com a realização de Operação Cauxi, desencadeada em 2015 em Iranduba, que desarticulou uma organização criminosa instalada no Executivo municipal, e ainda na realização do Operação Maus Caminhos, que desarticulou uma organização criminosa instalada na rede de saúde, que tem orçamento estimado em R$ 2 bilhões.

Seja o primeiro a comentar on "Secretário pede apoio ao TCE para resolver ‘gravidade’ na saúde"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.