Por falta de escolta, Moustafa, da ‘Maus Caminhos’, não vai depor

Mouhamad Moustafa chefiava, de acordo com a Polícia Federal, uma organização que fraudava a saúde do Estado (Foto: Reprodução/TV Globo)

Mouhamad Moustafa chefiava, de acordo com a PF, organização que fraudava a saúde do Estado (Foto: Reprodução/TV Globo)

MANAUS – Acusado de comandar o esquema que desviou R$ 150 milhões da saúde do Amazonas, o médico e empresário Mouhamad Moustafa não foi depor nesta terça-feira, 14, por falta de escolta policial de onde está preso para o prédio da Justiça Federal. Ao ATUAL, o secretário de Segurança Bosco Saraiva (PMDB) disse não poder garantir a relação de uma coisa com a outra, mas admitiu que as forças de segurança nesta terça estavam concentradas na zona Norte de Manaus, onde foi lançado um programa de patrulhamento ostensivo na região. O depoimento do réu foi transferido para sexta-feira, 17.

Mouhamad Moustafa

Médico proprietário das empresas Simea (Sociedade Integrada Medica Do Amazonas Ltda.) e Salvare Servicos Medicos Ltda, Ele foi denunciado pelo MPF (Ministério Público Federal) como sendo o mentor de uma organização criminosa que desviava dinheiro da saúde pública do Estado do Amazonas, através de um contrato da Susam (Secretaria de Estado de Saúde) com o Instituto Novos Caminhos, que a Justiça Federal diz ser de Mouhamad Moustafa. Em 2016, a CGU (Controladoria Geral da União), a Polícia Federal e o MPF deflagraram a Operação Maus Caminhos, que desarticulou a organização criminosa. Em maio de 2015 o médico foi condenado a 15 anos de prisão na primeira instância da Justiça Federal. A defesa de Mouhamad Moustafa diz que o médico é inocente e recorreu da decisão. Ele aguarda o julgamento dos recursos em liberdade, mas é réu em outras ações penais originadas da Operação Maus Caminhos.

Seja o primeiro a comentar on "Por falta de escolta, Moustafa, da ‘Maus Caminhos’, não vai depor"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.