Parte dos policiais militares volta às ruas no Espírito Santo

Vitória (ES) - Clima de tensão durante protesto de moradores em frente ao Comando Geral da Polícia Militar do Espírito Santo em Maruípe. Militares do Exército fazem a segurança da região (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Vitória (ES) – Clima de tensão durante protesto de moradores em frente ao Comando Geral da Polícia Militar do Espírito Santo em Maruípe. Militares do Exército fazem a segurança da região (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

VITÓRIA (ES) – Horas após o apelo de ministros para que a Polícia Militar voltasse ao trabalho e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ter declarado que o crime de motim poderá ser federalizado, parte dos PMs começou a patrulhar, na tarde de ontem, o Espírito Santo. A maior parte dos policiais continuava aquartelada, mas, de acordo com Polícia Militar, 600 PMs voltaram às ruas, na Região Metropolitana de Vitória, após um chamado operacional realizado às 16 horas de ontem.

Por volta das 18 horas, pelo menos 50 PMs à paisana se reuniram na Praça Oito, no centro de Vitória. Suas fardas estavam nos batalhões, que continuavam cercados por mulheres de policiais, e eles aguardavam as ordens do comando. Os homens que tinham uniforme em casa saíram direto para as ruas.

Ontem, quatro ministros – Raul Jungmann (Defesa), Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional), Antonio Imbassahy (Governo) e o interino José Levi Mello do Amaral Júnior (Justiça) – desembarcaram em Vitória para uma série de reuniões na tentativa de colocar fim ao motim da PM, que completou oito dias.

Desde o sábado passado, quando as mulheres dos policiais bloquearam os batalhões, impedindo os agentes de entrar e sair, 137 pessoas foram mortas no Espírito Santo, a população ficou aprisionada em casa, as ruas esvaziaram, ônibus deixaram de rodar e lojas foram saqueadas. Um acordo chegou a ser anunciado na noite de anteontem pelo governo estadual, mas na manhã de ontem nada havia mudado.

No início da tarde, o ministro da Secretaria de Governo afirmou não haver “a menor possibilidade” de qualquer movimentação política em favor da anistia dos PMs ser aprovada no Congresso Nacional. “Existem movimentações iludindo pessoas, como se fosse acontecer uma greve e não haver nenhum tipo de penalização. É muito importante deixar esclarecido: nós temos de manter a ordem e cumprir a lei”, afirmou Imbassahy. Anteontem, o governo capixaba já havia anunciado a abertura de indiciamento de 703 policiais e informado que o número seria ainda maior.

Mais tarde, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que também estava em Vitória, divulgou nota em que dizia estudar a federalização do crime de motim em razão do “grave comprometimento da ordem pública”. Com isso, os casos passariam a ser julgados pelo tribunal militar da União, com “tramitação mais rápida e penas que costumam ser mais severas”, segundo o ministro do Gabinete de Segurança Institucional.

Em alerta. O ministro da Defesa garantiu que o governo federal está monitorando a movimentação em todos os Estados brasileiros, com especial atenção para o Rio de Janeiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fonte: Estadão Conteudo

Seja o primeiro a comentar on "Parte dos policiais militares volta às ruas no Espírito Santo"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.