Ministério Público decide investigar pagamento de pensão vitalícia a José Melo

Ex-governador José Melo está preso e foi denunciado pelo MPF, que pediu pena de três a oito anos de prisão (Foto: Jair Araújo)

Ex-governador José Melo cumpre prisão domiciliar após detenção na Operação Estado de Emergência (Foto: Jair Araújo)

Da Redação

MANAUS – O MP-AM (Ministério Público do Estado do Amazonas) instaurou inquérito civil, nesta segunda-feira, 14, para apurar a legalidade da concessão de pensão vitalícia (Aposentadoria Especial) ao ex-governador do Amazonas José Melo de Oliveira. No Portal da Transparência do Estado do Amazonas consta que Melo recebe aposentadoria especial pelo cargo de ex-governador no valor de R$ 12,5 mil. Ele teve o mandato cassado por compra de votos na eleição de 2014 e foi preso na Operação Estado de Emergência, desdobramento da ‘Maus Caminhos’, que investiga esquema de fraudes na saúde pública do Estado.

A investigação está sendo conduzida pela promotora de Justiça Wandete de Oliveira Netto, da 79ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa e Proteção do Patrimônio Público. Ela requisitou à ALE (Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas) que informe se, em razão do mandato de deputado Estadual pelo Amazonas (2003-2007), o legislativo concedeu pensão vitalícia a Melo. Wandete pediu cópias das fichas financeiras correspondentes ao exercício de 2018 do referido provento, bem como a íntegra do processo administrativo de concessão.

A promotora fez a mesma solicitação à Câmara dos Deputados em razão do mandato de deputado federal pelo Estado do Amazonas (1995-2003).

Wandete considerou que o “Processo Administrativo que concedeu a referida Pensão ao Sr. José Melo de Oliveira, teve como base o suprimido artigo 278 da Constituição do Estado do Amazonas”. E acrescenta “Esta Promotoria de Justiça entende como certo que o dispositivo legal em epígrafe deveria ser declarado inválido por motivo superveniente”.

Para a procuradora, “em razão de manobra política, a matéria sobre a constitucionalidade do suprimido art. 278 da Constituição Estadual não chegou a ser apreciada pela Suprema Corte. Consequência da não apreciação da matéria em comento é a permanência dos efeitos do suprimido texto jurídico”.

O pagamento de pensão a ex-governadores do Amazonas é garantido em lei estadual e tem parecer favorável da Sead (Secretaria de Estado da Administração), mas foi contestada no STF (Supremo Tribunal Federal) onde tramita há mais de dez anos, sem solução. A ação foi apresentada pela OAB-AM (Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Amazonas).

Veja na íntegra a portaria do MP-AM, publicada no Diário Oficial Eletrônico da entidade a partir da página 9.

 

Mouhamad Moustafa

Médico proprietário das empresas Simea (Sociedade Integrada Medica Do Amazonas Ltda.) e Salvare Servicos Medicos Ltda, Ele foi denunciado pelo MPF (Ministério Público Federal) como sendo o mentor de uma organização criminosa que desviava dinheiro da saúde pública do Estado do Amazonas, através de um contrato da Susam (Secretaria de Estado de Saúde) com o Instituto Novos Caminhos, que a Justiça Federal diz ser de Mouhamad Moustafa. Em 2016, a CGU (Controladoria Geral da União), a Polícia Federal e o MPF deflagraram a Operação Maus Caminhos, que desarticulou a organização criminosa. Em maio de 2015 o médico foi condenado a 15 anos de prisão na primeira instância da Justiça Federal. A defesa de Mouhamad Moustafa diz que o médico é inocente e recorreu da decisão. Ele aguarda o julgamento dos recursos em liberdade, mas é réu em outras ações penais originadas da Operação Maus Caminhos.

Seja o primeiro a comentar on "Ministério Público decide investigar pagamento de pensão vitalícia a José Melo"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.