Melo faz declaração infeliz sobre massacre no Compaj

José Melo (Foto Vitor Souza/Secom)

Governador José Melo disse que “não tinha nenhum santo” entre mortos no Compaj (Foto Vitor Souza/Secom)

MANAUS – Soou quase que como uma “aprovação” ao massacre de 56 presos no Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), em Manaus, a declaração do governador do Amazonas, José Melo (PROS), a uma rádio de Manaus na manhã desta quarta-feira, 4, divulgada pela Folha de S. Paulo. “Não tinha nenhum santo. Eram estupradores, matadores (…) e pessoas ligadas a outra facção, que é minoria aqui no Estado do Amazonas. Ontem, como medida de segurança, nós retiramos todos (os ameaçados) que ainda restavam e segregamos a outro presídio para evitar que continuasse acontecendo o pior”, disse o governador, na entrevista.

Foi, no mínimo, uma declaração infeliz. Além da conotação de “aprovação”, Melo também demonstrou ironia. Afinal, medida de segurança era separar presos de facções rivais em presídios diferentes e não transferir os poucos que escaparam da chacina.

1 Comentário on "Melo faz declaração infeliz sobre massacre no Compaj"

  1. Eu dou razão a ele. O que aconteceu foi uma limpeza.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.