Maioria deixa as compras de Natal para última hora, mostra pesquisa

Empresários do comércio aproveitam nova regra trabalhista para contratar vendedores em épocas de datas comemorativas (Foto: Fotos Públicas)

Consumidores estão dispostos a irem às compras, mas vão deixar para a última hora neste Natal (Foto: Fotos Públicas)

SÃO PAULO – Os brasileiros, mais uma vez, estão deixando para fazer as compras de Natal na última hora. É o que aponta enquete realizada pela Consultoria Deloitte, de São Paulo, concluída ao final da segunda semana de dezembro, que analisa o comportamento dos consumidores neste final de ano. Conforme o levantamento, feito com 1.000 pessoas de todo o País, 63% ainda não haviam realizado as compras de Natal, o que reforça tendências identificadas na Pesquisa de Natal da Deloitte, produzida no mês de outubro passado. Nas duas apurações, os consumidores se mostraram mais otimistas com as perspectivas da economia e mais conscientes sobre a importância de manter um planejamento financeiro.

“Apesar de concluirmos que o brasileiro está mais preocupado com suas finanças e tende a planejar melhor seus gastos e eventuais dívidas, a característica tradicional de deixar as compras de Natal para os últimos momentos continua predominante”, diz Reynaldo Saad, sócio-líder da Deloitte. “Outra questão que salta aos olhos em nossa enquete é que as pessoas acabam tendendo a gastar mais do que esperavam alguns meses antes das festas, já que percebemos que aqueles que participaram do atual levantamento pretendem gastar mais e comprar maior número de presentes do que a previsão que havia na Pesquisa de Natal de outubro”, afirma.

Segundo a enquete, entre os participantes do estudo que confirmaram ter a intenção de dar presentes neste Natal, 63% ainda não haviam realizado suas compras até do dia 8 de dezembro. Vale destacar que 50% planejavam comprar antes da festa natalina e 13% pretendiam aproveitar as liquidações pós-Natal para adquirirem seus presentes. Os demais 37% já haviam se antecipado e concluído a jornada de compras.

Houve ainda aumento na estimativa média de gastos com presentes, que na atual enquete chegou a R$ 405,20, ante a perspectiva de R$ 367,00 indicada na Pesquisa de Natal, em outubro. Trata-se de aumento de 10% na comparação entre as expectativas de desembolso.

Entre os que já haviam adquirido presentes, 64,5% utilizaram lojas online em sua jornada de compras. Além disso, um a cada três brasileiros fez buscas online para tomar sua decisão nas aquisições.

Finanças

A enquete mostra que 40,3% das pessoas acreditam que a situação financeira de suas famílias está melhor agora, ao final de 2017, do que nesta mesma época do ano passado. Esse resultado é mais positivo do que o apontado na Pesquisa de Natal, de outubro, quando 37% das pessoas diziam estar em situação financeira melhor do que no ano anterior. Outros 24,7% acham que situação financeira permanece igual nessa comparação (ante 28,1% do levantamento de outubro).

A enquete mostra também aumento no número médio de presentes que as pessoas pretendem comprar neste ano ao final de suas jornadas de compra, que passou dos 4 estimados em outubro para 4,6 no levantamento de dezembro, com expectativa de gastos em torno de R$ 81,70 por item.

Em relação à Black Friday, realizada em 24 de novembro passado, a insatisfação com os descontos oferecidos está entre as razões apontadas pelas pessoas para não comprarem nessa promoção anual – justificativa escolhida por 58,8% dos entrevistados. Detalhando as opiniões, 23,4% dizem “não acreditar que os descontos da Black Friday são reais” e outros 35,4% afirmam que “os descontos não estavam valendo a pena”. Apenas 10,7% disseram ter encontrado descontos melhores que os oferecidos no ano passado.

É interessante perceber que as empresas varejistas que possuem lojas online então apostando em um novo formato de atendimento e relacionamento para atrair seus clientes, já que, dentre aqueles que fizeram compras na Black Friday, 35,2% afirmaram que concluíram sua compra no ambiente digital e programaram a retirada do produto em uma loja física da empresa escolhida.

“Ao final, a enquete confirma um cenário de melhora das expectativas dos consumidores em relação à economia. Há sinais de que o brasileiro está gastando melhor, que tem pesquisado mais preços, tanto pelos canais online, como na comparação de valores feita na Black Friday, por exemplo. Além disso, está diversificando os seus canais de compra: via e-commerce, apps, redes sociais e até optando pela loja física quando for mais conveniente. Nesse cenário, o varejista precisa estar preparado para receber bem, compreender os anseios do consumidor e atendê-lo com eficiência em todas as frentes de venda”, conclui Reynaldo Saad.

Seja o primeiro a comentar on "Maioria deixa as compras de Natal para última hora, mostra pesquisa"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.