Lula decide se entregar à Polícia Federal, mas diz que não cometeu crime

Lula faz discurso em São Bernardo do Campo antes da prisão (Foto: Ricardo Stuckert/PT)

Do Estadão Conteúdo

SÃO PAULO – O ex-presidente Luiz Inácio da Silva disse em discurso que vai se entregar à Polícia Federal. “Eu vou cumprir o mandado (de prisão contra ele) e vocês vão ter que se transformar, cada um de vocês vai se chamar Chiquinha, Zezinho, e todos vocês vão virar Lula e vão andar por esse país e vão ter que saber.”

Lula está com a prisão decretada no caso tríplex do Guarujá desde quinta-feira, 5. Neste sábado, 7, ele deve se entregar à PF, após negociações. “Eu não estou escondido.”

“Quero chegar e falar para o delegado que estou à sua disposição e a história daqui a alguns dias vai provar que quem cometeu crime foi o delegado que me acusou, o juiz que me julgou e o Ministério Público que foi leviano comigo.”

“Vou de cabeça erguida e vou sair de peito estufado de lá”, afirmou, na frase final, às 12h55. O discurso durou cerca de 55 minutos.

Desafio ao debate

Em seu primeiro pronunciamento público após a ordem de prisão para cumprimento de pena no caso tríplex, o ex-presidente Lula desafiou procuradores e ‘asseclas’, o juiz federal Sérgio Moro, e desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, para ‘um debate’ sobre as ‘provas’ que embasam investigações que levaram à sua condenação.

Do alto do carro de som estacionado à porta do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, Lula disse que o Ministério Público e a Polícia Federal mentiram ao atribuírem a ele o tríplex no condomínio Solaris, pivô de sua sentença a 12 anos e um mês de prisão.

“Por isso que eu sou indignado. Porque eu fiz muita coisa nos meus 72 anos, mas eu não os perdoo por terem passado a sociedade para dizer que eu sou ladrão. Deram a primazia dos bandidos de fazer o ‘pixuleco’ no Brasil inteiro. Deram a primazia para os bandidos de chamar a gente de petralha.”

“O que eu não posso admitir é um procurador que fez um power point e foi para a TV dizer que o PT é uma organização criminosa que nasceu para roubar o Brasil e que o Lula, por ser o mais importante do partido, é o chefe. O procurador disse ‘eu não preciso de provas, eu preciso de convicção’. Eu quero que ele guarde a convicção dele para os comparsas e asseclas dele e não para mim. Certamente, um ladrão não estaria exigindo provas. Estaria de rabo preso, de boca fechada.”

Lula disse que ‘gostaria de fazer um debate com Moro sobre o que ele fez’. “Eu gostaria que ele me mostrasse alguma coisa de prova. Eu já desafiei os juízes do TRF-4 que eles fossem num debate na universidade que eles quiserem provar qual é o crime que eu cometi nesse país”.

A favor da Lava Jato

Lula afirmou não ser contra a Operação Lava Jato e que aprova que “bandido seja preso”. “Tem de pegar bandido e prender”, afirmou. Sobre o apartamento tríplex, no litoral de São Paulo, voltou a afirma que não é seu. “Estou sendo processado e tenho dito claramente que sou o único ser humano processado por um apartamento que não é meu. Moro (o juiz Sérgio Moro) mentiu que o apartamento era meu”, disse.

“Deram a primazia de os bandidos chamar a gente de petralha”, afirmou do palanque. Entre os que o acusam, “nenhum deles dorme com a consciência tranquila que eu durmo”, continuou. “Eu acredito na Justiça.” O petista disse que se não fosse assim, teria proposto uma revolução. “Certamente, um ladrão não estaria exigindo prova”, disse. “Eu tenho a imprensa me atacando; eles não se dão conta que quanto mais me atacam mais cresce relação com o povo.”

Lula afirmou ainda não ter medo e disse que gostaria de fazer um debate com Moro sobre a denúncia feita contra ele. “Gostaria que Moro me mostrassem as provas”, provocou.

Antes de falar das denúncias, Lula contou histórias sobre sua trajetória no sindicato, lembrando a greve histórica de 1980, interrompendo o discurso, a certa hora, para pedir atendimento a um militante que estava passando mal. O político falou ainda sobre seu governo. “Eu sonhei que era possível governar esse País envolvendo milhões de pessoas pobres na economia”, disse. E citou a família. “Antecipação da morte da Marisa (Letícia) foi sacanagem que imprensa e Ministério Público fez contra ela”, afirmou.

Seja o primeiro a comentar on "Lula decide se entregar à Polícia Federal, mas diz que não cometeu crime"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.