Lava Jato denuncia seis por propina de R$ 9,6 milhões de obra em refinaria

Abreu e Lima (Foto: PAC/Divulgação)

Obras na Refinaria Abreu e Lima foram abandonadas, mas propina foi de R$ 9,6 milhões só para casa de força (Foto: PAC/Divulgação)

Do Estadão Conteúdo

CURITIBA – A força-tarefa da Lava Jato denunciou seis pessoas por propinas de R$ 9,6 milhões na construção de casa de força da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Entre os denunciados está Sérgio Bocaletti, que foi preso na 51ª fase da operação, deflagrada em maio. Ele é apontado como operador de desvios em contratos da estatal.

Segundo a denúncia, executivos da Alusa, contratada para obras na Abreu e Lima, pagaram propinas ao ex-diretor da Petrobras Pedro Barusco e ao ex-gerente Glauco Colepicolo. O valor de R$ 9,6 milhões era referente a 1% do contrato com a petrolífera.

Bocaletti e outro denunciado, Luís Eduardo Campos Barbosa, são acusados de ajudarem a ocultar propinas aos ex-agentes públicos (lavagem de dinheiro).

A força-tarefa denunciou os ex-diretores da Alusa, Mário de Andrade (corrupção ativa), José Lázaro (corrupção ativa e lavagem de dinheiro), César Godoy (corrupção ativa e lavagem de dinheiro) pelas propinas pagas aos ex-diretores da estatal e ainda acusou o ex-executivo da Odebrecht, Rogério Araújo, por lavagem de dinheiro.

Seja o primeiro a comentar on "Lava Jato denuncia seis por propina de R$ 9,6 milhões de obra em refinaria"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.