Irmã de Mouhamad assume empresas investigadas por corrupção na Maus Caminhos

Médico Mouhamad Moustafa foi preso na Operação Maus Caminhos e irmã assumiu comando de empresas investigadas (Foto: Reprodução)

Por Henderson Martins, da Redação

MANAUS – A médica residente Karina Moustafa, irmã do médico Mohamad Moustafa, considerado pelo MPF (Ministério Público Federal) como líder de um esquema de fraudes na saúde pública do Amazonas, assumiu as empresas do irmão que ainda têm contratos com o Governo do Amazonas. A mudança de comando foi revelada por Melquiades Sarmento, administrador da Salvare, uma das empresas do médico, em depoimento ao TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) na manhã desta quarta-feira, 7. Moustafa é um dos principais implicados na Operação Maus Caminhos, que investiga um esquema de fraudes em contratos de serviços na saúde pública no Amazonas.

Melquiades Sarmento disse que após a prisão dos diretores da Salvare, os funcionários ficaram sem saber a quem reportar as questões administrativa. Foi quando apareceu Karina, que passou a tomar as decisões da empresa. Ela também assumiu a direção da Simea, outra prestadora de serviço. Melquiades, que prestou depoimento como testemunha de defesa, disse que trabalha na Salvare desde abril de 2016.

Karina Moustafa foi intimada pela juíza Ana Paula Serizawa Silva Podedworny, da 4ª Vara Criminal da Justiça Federal, para prestar depoimento no dia 16 deste mês.

Os advogados de defesa dos envolvidos no esquema de corrupção na saúde, questionaram Mequiades sobre se ele tinha conhecimento e acompanhamento dos serviços prestados pelas empresas comandas por Mouhamad. Ele afirmou que todos os serviços eram fornecidos perfeitamente, até a deflagração da operação. “Depois da operação, começou a falhar os serviços, faltar medicamentos, ausência de plantonistas, mas, antes de tudo isso, a empresa cumpria com as determinações exigidas nos contratos. Tínhamos um acompanhamento rigoroso, com registro dos plantonista em um caderno e em um sistema eletrônico, além de uma supervisão feita por enfermeiros, não havia problemas”, disse.

Mequiades disse que nunca recebeu nenhuma ordem de Mouhamad para alterar o quantitativo dos serviços prestados ao Governo do Amazonas com o objetivo de faturar mais com um número menor de plantões.

Outra testemunha de defesa, a assistente social Cintia de Azevedo Cordeiro, informou que trabalhou na UPA Campos Sales até março de 2017. A assistente social explicou que todos os serviços prestados pelas empresas de Mouhamad eram sem interrupção. “Não havia falhas nos serviços, não faltava medicamentos, médicos ou enfermeiros, mas depois da operação as coisas começaram a desandar”, disse.

Mouhamad Moustafa

Médico proprietário das empresas Simea (Sociedade Integrada Medica Do Amazonas Ltda.) e Salvare Servicos Medicos Ltda, Ele foi denunciado pelo MPF (Ministério Público Federal) como sendo o mentor de uma organização criminosa que desviava dinheiro da saúde pública do Estado do Amazonas, através de um contrato da Susam (Secretaria de Estado de Saúde) com o Instituto Novos Caminhos, que a Justiça Federal diz ser de Mouhamad Moustafa. Em 2016, a CGU (Controladoria Geral da União), a Polícia Federal e o MPF deflagraram a Operação Maus Caminhos, que desarticulou a organização criminosa. Em maio de 2015 o médico foi condenado a 15 anos de prisão na primeira instância da Justiça Federal. A defesa de Mouhamad Moustafa diz que o médico é inocente e recorreu da decisão. Ele aguarda o julgamento dos recursos em liberdade, mas é réu em outras ações penais originadas da Operação Maus Caminhos.

Seja o primeiro a comentar on "Irmã de Mouhamad assume empresas investigadas por corrupção na Maus Caminhos"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.