Facebook é multado em R$ 111 milhões por não cumprir ordem na ‘Maus Caminhos’

Carros de luxo foram apreendidos em nova fase da operação Maus Caminhos no Amazonas (Foto: ATUAL)

Polícia Federal desarticulou esquema de fraude na saúde pública do Amazonas com a Operação Maus Caminhos (Foto: ATUAL)

Da Redação

MANAUS – A Justiça Federal no Amazonas determinou o pagamento de multa, no valor de R$ 111.735.169,72, pela empresa Facebook Serviços Online do Brasil, por descumprimento de decisão judicial proferida em abril de 2016, que ordenou a quebra de sigilo de informações contidas em perfis da rede social, bem como de mensagens trocadas por meio do aplicativo WhatsApp, para fins de investigação criminal no âmbito da Operação Maus Caminhos. A decisão é favorável à ação do MPF (Ministério Público Federal).

O valor corresponde à soma das multas diárias de R$ 1 milhão, atualizado em cálculo contábil, previstas pelo não acatamento da empresa à determinação de quebra de sigilo. Os dias de descumprimento são contados de 13 de junho de 2016, quando terminou o prazo de 10 dias inicialmente estipulado para que o sigilo das informações fosse quebrado, até 20 de setembro de 2016 – data em que foi deflagrada a Operação Maus Caminhos – quando cessou o interesse público na diligência.

A Justiça entendeu que o pagamento da multa deve ser efetuado, sem a necessidade de aguardar a análise do mérito do processo em sentença definitiva. A decisão que impõe a multa também contraria a argumentação da defesa de que o valor é “excessivo e desproporcional” e confirma o posicionamento do MPF, que trouxe ao processo informações acerca do porte econômico da empresa, cujo faturamento ultrapassou R$ 22 bilhões em apenas três meses. O processo segue tramitando na 4ª Vara Federal do Amazonas, sob o número 5413-70.2016.4.01.3200.

Bloqueio de valores

À época das investigações da operação Maus Caminhos, em julho de 2016, o MPF conseguiu na Justiça a decretação da indisponibilidade de R$ 38 milhões pertencentes ao Facebook Brasil, por ter descumprido a decisão judicial que determinava a quebra de sigilo e o acesso aos dados requisitados. A empresa reverteu o bloqueio, por meio de mandado de segurança impetrado no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), mas a multa imposta pelo descumprimento não foi desconstituída do processo.

Maus Caminhos

Em 2016, a Operação Maus Caminhos desarticulou um grupo que desviava recursos públicos por meio de contratos firmados com o governo do estado para a gestão de três unidades de saúde em Manaus, Rio Preto da Eva e Tabatinga, feita pelo Instituto Novos Caminhos (INC), instituição qualificada como organização social.As investigações que deram origem à operação demonstraram que dos quase R$ 900 milhões repassados, entre 2014 e 2015, pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS) ao Fundo Estadual de Saúde (FES), mais de R$ 250 milhões teriam sido destinados ao INC.

A apuração indicou o desvio de R$ 50 milhões em recursos públicos, além de pagamentos a fornecedores sem contraprestação ou por serviços e produtos superfaturados, movimentação de grande volume de recursos via saques em espécie e lavagem de dinheiro pelos líderes da organização criminosa.

As operações Custo Político e Estado de Emergência, que são desdobramentos da Maus Caminhos, mostraram, ainda, o envolvimento de agentes públicos e políticos da alta cúpula do Executivo estadual, dentre eles o ex-governador José Melo, em um esquema de propina criado para acobertar e colaborar com os desvios feitos pelo grupo que geria as unidades de saúde, liderado pelo médico Mouhamad Moustafa.

1 Comentário on "Facebook é multado em R$ 111 milhões por não cumprir ordem na ‘Maus Caminhos’"

  1. Alguém com um patriotismo legitimo e que compartilhe com os anseios da população brasileira, tem que apresentar um Projeto que condicione o funcionamento da venda destes serviços prestados pelas redes sociais, tão somente se cumprirem com os preceitos constitucionais da lei, da ordem e da observância das nossas necessidades prioritárias de justiça para conter o egoismo exarcebado que esta nas práticas ilícitas com os recursos públicos; Não consegui entender qual a politica da empresa em relação a essas necessidades do poder judiciario, penso que deveria presar pela ordem e pelo progresso das instituições de cada pais onde obtêm esses benefícios.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.