Esquema da Maus Caminhos incluía nomeação de assessores do ex-governador José Melo

O ex-governador José Melo foi preso na Operação Estado de Emergência por suspeita de envolvimento em esquema de corrupção (Foto: Valdo Leão/Secom)

Por Henderson Martins, da Redação

MANAUS – A nomeação para cargos de confiança no Governo do Amazonas era uma das ações do médico Mouhamad Moustafa, preso na Operação Maus Caminhos e hoje em prisão domiciliar monitorado por tornozeleira eletrônica. Em conversa pelo aplicativo Whatsapp com seu advogado, Lino Chixaro, obtida pela Polícia Federal a partir de perícia em aparelho celular, Moustafa articula a escolha de um assessor do ex-governador do Amazonas, José Melo de Oliveira (Pros), que também está preso. A PF considera que a conversa revela uma relação de confiança entre o empresário e o ex-governador. O ATUAL teve acesso a gravação, que consta no inquérito policial da Operação Estado de Emergência, desdobramento da Maus Caminhos.

A vaga negociada é de secretária executiva na Seap (Secretaria de Administração Penitenciária). Na conversa, o nome citado para ocupar a vaga é de ‘Keytiane Evangelista de Almeida’, mas o médico se mostra preocupado com a indicação pelo fato, segundo ele, de tirar a pessoa de confiança de um lugar para outro (ela era uma pessoa de confiança de Moustafa na Susam). “…ruim doutor (Lino). Se ela (Keytiane) sair de lá, a gente fica sem ninguém para resolver, principalmente os problemas da OS (Instituto Novos Caminhos) né? Que tudo tá na mão dela. Aí entra um F.P lá e a gente se acaba de vez. Esse é meu receio lá, de ela sair”, diz Mouhamad, na gravação.

Já o advogado pede para o médico conversar com Keytiane e verificar se ela não teria uma pessoa de confiança para ocupar a vaga. “Veja se ela tem alguém de nível, que é lá a secretária de assuntos penitenciários”, diz Chíxaro.

Ao perceber que a vaga seria para o sistema penitenciário, Mouhamad cogitou a possibilidade de indicar o nome do ex-subcomandante da PM (Polícia Militar) do Amazonas, coronel Aroldo Ribeiro. “Não é bom colocar o Aroldo? Não acha bom jogar ele lá não, que ele faz o que você quiser lá?”, diz o médico.

Pedido do ‘Velhinho’

A PF identificou a proximidade do ex-governador com o médico, dono de empresas que prestavam serviços de saúde para o governo no esquema de corrupção, em outra conversa também gravada. No trecho, Mouhamad  diz que estaria saindo da casa do ‘Velhinho’ – apelido com o qual se referia a José Melo – no dia 16 de junho de 2015. Em outra conversa, ocorrida no dia 10 de outubro de 2014, o médico pede para ‘Priscila’ (cunhada e diretora financeira das empresas) para sacar R$ 200 mil para completar um valor de R$ 500 mil para atender um pedido do ‘Velhinho’. Priscila informa que não vai conseguir realizar o saque e Mouhamad insiste e reforça que quem pediu o dinheiro foi o José Melo pessoalmente na casa dele. No final, ela informa que já tem o valor que foi pedido pelo médico.

A apuração da PF identificou que José Melo também era citado por outros apelidos como ‘careca’ e ‘professor’. Em uma das conversas interceptadas entre o médico e o advogado, Mouhamad pede para Chixaro apertar o ‘Velhinho’ para que ele não anuncie o fim do grupo. O motivo seria o anúncio de extinguir algumas unidades hospitalares na qual as empresas de Mouhamad prestavam serviços com valores milionários.

Confira trechos das conversas.

1 Comentário on "Esquema da Maus Caminhos incluía nomeação de assessores do ex-governador José Melo"

  1. Quanta pilantragem, esses facínoras ainda irão dizer que são inocentes, inclusive o careca ou velinho ou professor esse é o pior de todos acredito ser ele o chefe da organização.

    Que todos os bens desses corruptos sejam arrestados para pagar pelo menos parte do roubo do dinheiro da saúde e educação.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.