Em poema, juiz volta a defender a legalização da maconha

Luís Carlos Valois

Luís Carlos Valois: na corrente pela liberação da maconha (Foto: TJAM)

Depois de publicar na internet, no mês passado, uma foto bebendo um energético à base de maconha, o juiz Luís Carlos Valois voltou a gerar polêmica nas redes sociais ao defender a liberação do uso da erva no País. Em um comentário feito no perfil dele no Facebook, na terça-feira, 1°, sobre o faturamento milionário do dono da Ambev, Paulo Lemann, que ganha R$ 3,86 milhões por hora vendendo bebida alcoólica, Valois, que é titular da Vara de Execuções Penais da Justiça do Amazonas,  escreveu o seguinte verso: “Porque vende álcool é comerciante, se vendesse maconha era traficante. Porque vende álcool é o homem mais rico, se vendesse maconha era bandido. Porque vende álcool tem uma empresa premiada, se vendesse maconha tinha uma boca na quebrada. Porque vende álcool está envelhecido, se vendesse maconha já tinha morrido… .‪#‎liberaSTF”.

Mais arrecadação

A coragem de Valois, em seu perfil pessoal do Facebook, gerou elogios da maioria de seus seguidores que defenderam a comercialização da erva para aumentar a arrecadação tributária do Governo com venda do produto in natura ou industrializado. Atualmente, o STF analisa a descriminalização do porte de drogas no País.

Cadê a bancada?

O anúncio do ministro de Planejamento, Nelson Barbosa, sobre o fim da isenção tributária do PIS/Cofins para produtos de informática em todo o Brasil, que deverá afetar diretamente o Polo Industrial de Manaus, não gerou incômodo à bancada amazonense na Câmara e no Congresso. Os 11 parlamentares, oposicionistas e governistas, que defendem o Estado fizeram “boca de siri” sobre o assunto e nem comentaram os efeitos da medida no Estado.

Quem paga

Apesar de alguns empresários do PIM dizerem que vão perder em faturamento e já ameaçarem com novas demissões, quem vai pagar pela decisão do governo federal será mesmo o consumidor que, segundo economistas, poderão ter que desembolsar 10% a mais pela compra dos produtos de informática. A medida consiste na tentativa governo federal em amenizar o déficit (gastos maiores que receitas) inédito no País previsto de R$ 30,5 bilhões.

Benefícios docentes

O Sinteam retomou, esta semana, a negociação salarial com o governo do Estado, sobre a concessão de benefícios para  os profissionais da educação. A reunião ocorreu entre os professores e o próprio governador José Melo (Pros). “Foi possível garantir um plano de saúde para a categoria, reajuste do auxílio localidade e zerar o desconto de 6% do vale transporte”, disse o presidente do Sinteam, Marcus Libório.

Na torcida

A data marcada para a retomada do julgamento de cassação do governador José Melo, no dia 9, está mobilizando petistas e comunistas em Manaus, que estão fora do governo: os membros da CUT, o braço sindical do PT, e da União da Juventude Socialista (UJS), ligada ao PCdoB, pretendem se reunir em frente ao TRE-AM para cobrar do juiz Marco Antônio Costa o retorno do processo à pauta.

Candidato à CMM

Amigos do ex-secretário de Educação Gedeão Amorim tentam convencê-lo a disputar uma vaga à Câmara Municipal de Manaus nas próximas eleições. Gedeão, que teve 63 mil votos para deputado federal em 2014, na primeira vez que entrou em um pleito, afirmou que não descarta essa possibilidade.

Seja o primeiro a comentar on "Em poema, juiz volta a defender a legalização da maconha"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.