Como agir em caso de animais na pista

Uma situação muito comum, especialmente em rodovias e estradas mais afastadas dos centros urbanos, é a presença de animais na pista.

Muitos acidentes já ocorreram por conta disso, inclusive vitimando pessoas de forma fatal.

Neste artigo, vou falar sobre o que você, motorista, pode fazer no caso de se deparar com um animal na pista. Confira!

Animais na pista: cuidado!

Primeiramente, é fundamental redobrar a atenção ao ver placas de trânsito que indiquem animais na pista (com desenhos de animais). Essas placas, por distração ou mesmo por não serem comuns, podem passar despercebidas, mas indicam que ali a chance de ter animais é bem maior.

O atropelamento de animais costuma ser um fato gerador de acidentes graves, segundo a Polícia Rodoviária Federal. Estatísticas mostram que 75% dos acidentes com esse causador são graves.

No caso de batida com animal de pequeno porte, o impacto causa danos ao veículo, geralmente não o desviando da trajetória. Já em caso de colisões com animais de grande porte, por conta do tamanho e peso do corpo do animal, é possível que ele venha a invadir o para-brisa, lesionando os ocupantes do veículo ou mesmo causando mortes.

É importante lembrar que também está prevista no Art. 220, parágrafo XI, do Código de Trânsito Brasileiro, infração em caso de deixar de reduzir a velocidade de forma compatível com a segurança do trânsito quando há animais na pista.

A infração é considerada grave e com pena de aplicação de multa no valor de R$ 195,23 e 5 pontos na carteira.

À noite, redobre a atenção!

Os animais procuram, por vezes, se aquecer no asfalto, quando a mata está fria no período da noite. Eles têm até o costume de deitar na rodovia, tornando esse cenário altamente perigoso.

Como lidar com animais na pista?

O primeiro passo a ser dado se você avistar animais na pista é reduzir a velocidade do carro. No entanto, alguns cuidados podem ser tomados nessa redução, como olhar para ver se há algum carro atrás e a qual distância, a fim de reduzir as chances de outro acidente.

Quando a situação exigir a frenagem em uma distância menor do que a recomendada, algumas técnicas podem ajudar a manter o carro em controle.

Carro com ABS

Pise no freio com firmeza, mas suavemente. Pise fundo e rápido no freio. O importante é não pressionar gradualmente o pedal se seu carro tiver ABS.
Não freie e desvie o carro ao mesmo tempo. Não vire todo o volante de uma vez, vire-o suavemente enquanto freia.

Carro sem ABS

Não pise com tudo no freio. Nesse caso, você precisa ir aumentando a pressão no pé, gradualmente e o mais rápido que conseguir controlar.

Atenção ao alvo do desvio e aos fatores de prevenção no contexto

Você deve estar concentrado na direção que quer desviar e não no alvo em que pode bater.

Quando estamos dirigindo, funções psicológicas e cognitivas estão sendo trabalhadas no nosso cérebro ao mesmo tempo. Enquanto você dirige, está inevitavelmente exposto a fatores de risco.

E, para reduzir ao máximo as chances de acidente, é necessário exercitar fatores como: memória, tomada de decisões rápidas em um contexto com várias informações, atenção e interpretação de imagens e sons.

Você deve dirigir de modo consciente o tempo todo. Ligado no que vê e nos fatores de risco, dirigindo sempre que possível na defensiva, ou seja, levando em conta as adversidades e a possível falta de experiência ou negligência de outros motoristas.

Em caso de previsível colisão com animais na pista, você deve se concentrar em, além de como frear o carro, no melhor alvo de desvio. Lembrando ainda que algumas vias têm canteiro ou pista dupla, possibilitando, assim, o cálculo para decidir a melhor direção.

Como fazer uma curva em alta velocidade e frear

Em momentos de possíveis acidentes, não sabemos qual pode ser o próximo passo. Pois bem, imagine que você encontre animais na pista em um local de curva acentuada.

Suavemente, vá virando o volante na direção da curva e pisando no freio, também levemente. Essa é uma técnica básica para fazer curvas. Dessa maneira, o carro fica mais inclinado na parte da frente, com pressão nos pneus dianteiros no chão, dando maior suporte à direção.

Não buzine

Isso pode assustar o animal, causando reações inesperadas, desde movimentações rápidas até a paralisação dos animais na pista.

Passe por trás do animal

Ao passar pelo animal, o faça por trás para evitar súbitas reações. Em seguida, dê sinais caso venham carros no sentido oposto, como, por exemplo, piscar os faróis.

Outro sinal possível é com a mão para baixo, mostrando quatro dedos, isso significa que você está avisando que há animais na pista. Os quatro dedos para baixo representam animais de quatro patas.

Qual é o tamanho do problema de animais na pista no Brasil?

O banco de dados desenvolvido pelo CBEE (Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas), chamado Atropelômetro, registrou que, a cada segundo, 15 animais selvagens são atropelados nas estradas brasileira.

Achou esse número grande? Pois bem, isso sem levar em conta os animais domésticos. Esse número, por dia, daria 1,3 milhões de atropelamentos e, em um ano, 473 milhões de ocorrências, número realmente assustador.

Os trechos da Mata Atlântica são os mais vulneráveis, com 4.218 casos de atropelamento, a maioria de mamíferos. Em seguida, o Cerrado, Pampa, Caatinga, Amazônia e Pantanal.

O Brasil bate o recorde mundial em atropelamento de animais na pista e esse é de fato um problema que tem afetado a fauna, causando mais mortes do que o tráfico e a caça de animais.

Como avisar e alertar as autoridades?

Ao se deparar com animais na pista, o ideal é avisar a concessionária responsável pelo trecho ou a Polícia Rodoviária. Esteja atento ao número da concessionária da rodovia em que está transitando.

Se você está numa rodovia e não sabe o 0800 da concessionária, ligue para a Polícia Rodoviária Federal, no número 191. A polícia tomará as medidas necessárias para contato com a concessionária responsável.

Para você que viaja sempre, é válido ter em mãos uma lista com números dos seus principais trechos, além do número da Polícia Rodoviária Federal.

Lembre-se de que sua ligação e qualquer medida de prevenção podem evitar acidentes e salvar vidas.

Gostou do artigo? Você se lembra de situações nas quais se deparou com animais nas vias? Compartilhe as suas experiências nas estradas conosco nos comentários!

 

Seja o primeiro a comentar on "Como agir em caso de animais na pista"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.