Buracos do Distrito são excluídos na Batalha do Asfalto

O governo do Estado resolveu entrar na Batalha do Asfalto, travada com a Prefeitura de Manaus, supostamente em nome da tábua de pirulitos em que transformaram as ruas da cidade. Quem vai asfaltar mais ruas do que o Rei? O governador anunciou o investimento de R$145 milhões, enquanto a prefeitura de Manaus havia anunciado R$ 320 milhões em junho último, num “ousado Plano de Obras de Verão”, que pretende recuperar 10 mil ruas na cidade.

Em nome de sua majestade o voto, ambos anunciaram a zona leste como ponto de partida. Depois de segurança e saúde, o grande pesadelo da população é a buraqueira que se espalhou por toda a cidade. E de camarote esburacado, as empresas aqui instaladas e que patrocinam os cofres públicos, tanto do estado como do município, seguem sem entender o nível de desacato cívico que o poder público tem dispensado às reclamações contra a buraqueira do Polo Industrial de Manaus.

Uma pena que o conflito eleitoreiro e partidário se sobreponha ao interesse maior da cidade, pois não faz sentido que – diante de um problema de dimensões tão alarmantes – a pauta não seja objeto de comunhão e parceria para otimizar recursos e dar sequência a liturgia que devolve ao cidadão o imposto que ele recolhe e retribui às empresas medidas administrativas condizentes com as demandas de quem produz e paga as contas do baile da dispersão nessa trágica para não dizer hilária Batalha do Asfalto.

UM GRITO DE REVOLTA
Dauro Fernandes Braga (*)
[email protected]

O empresário Dauro Braga, um amazonense de alma, coração e vida, nascido em Maranguape, Ceará, fez um desabafo contra o Governo Federal e o descaso crônico dos poderes constituídos em relação ao Amazonas. “Aqui encontrei tudo que um cearense precisa para fazer progresso e prosperidade. Uma Terra abençoada onde constituí família e trabalhei com resultados. Infelizmente, as autoridades ficam de costas para nossas necessidades. E isso deveria nos unir mais para fazer desta terra o orgulho de todos nós, amazonenses, cearenses e brasileiros”. Confira seu desabafo contra o descaso da BR-319, cujo abandono nos tem causado incontáveis prejuízos.

Matéria jornalística exposta no dia 13 deste mês no jornal local da TV Amazonas mostra a situação crítica e de abandono total em que se encontra a BR-319, estrada que liga Manaus a Porto Velho no estado de Rondônia e que foi construída e inaugurada pelo governo militar em 1976 no tempo em que alguns dizem que faltava liberdade, mas eu asseguro que sobrava emprego, ordem e progresso no solo pátrio. No meu entender, faltava liberdade sim, para roubar recursos públicos, fazer baderna, invadir propriedades privadas e destruir prédios públicos. A importância dessa estrada como fator de integração nacional e de desenvolvimento econômico para a nossa região é de tamanha relevância que qualquer discurso fajuto de histéricos ambientalistas não consegue se sobrepor a força dessa realidade patente. Discutir impacto ambiental de uma obra concluída há quase meio século, é querer subestimar a inteligência de nosso povo. Ora, se impacto ambiental houve, já são favas contadas ou já foi mitigado de acordo com as exigências legais. O que há de mais relevante nesse momento é o interesse soberano da coletividade e da economia regional, e os benefícios que o Amazonas e sua gente passarão a usufruir a partir da sua recuperação.

É oportuno lembrar aos amazônidas os obstáculos colocados pela Sra. Marina Silva quando Ministra do Meio Ambiente com a finalidade de evitar a revitalização da estrada. É bom lembrar ainda que, durante o seu reinado, tivemos todas as condições políticas e administrativas favoráveis a este pleito, pois contávamos com o Senador amazonense Alfredo Nascimento no comando do Ministério dos Transportes, e do amazonense Dr. Marcos Barros como Presidente do Ibama, porém, sofremos a interferência inoportuna e criminosa dessa senhora, cuja visão vesga consegue ver mais importância na vida de uma árvore ou de um jacaré do que na vida de um caboclo interiorano que habita em condições sub-humanas os locais mais inóspitos desse país.

Ciente da importância da recuperação dessa estrada lembramos que a hora é mais do que oportuna para o Amazonas cobrar daqueles que têm pretensão a cargo público o porquê de sua inoperância na defesa de nossos interesses e o compromisso no resgate dessa dívida. Conclamo aos nossos conterrâneos o repúdio a injusta pecha de destruidores do meio ambiente que constantemente nos é imputada, os dados estatísticos estão aí para se contraporem à essas falsas acusações: até hoje mantemos mais de 95% das nossas reservas florestais preservadas, e por força de um modelo de desenvolvimento sério, exitoso e não poluidor, recolhemos mais de 50% dos impostos federais pertinentes a toda a Amazônia legal; oferecemos mais de oitenta mil empregos diretos num país que conta hoje com treze milhões de desempregados, e, participamos efetivamente na balança de exportações, tendo alcançado no ano de 2017 um superávit de oitenta e seis milhões de dólares.

Num país onde o barco do desenvolvimento navega em mares revoltosos e com ventos de proa, incomoda e causa inveja aos incompetentes assistirem o passar do barco da Suframa navegando em águas tranquilas, transportando em seu bojo o formidável espetáculo do desenvolvimento conseguido a duras penas. Cabe-nos a missão de esclarecer aos brasileiros que mal conhecem o Brasil que esse modelo de desenvolvimento presenteado ao Amazonas pelos governos militares, é parte do tributo que a nação e grande parte da humanidade nos deve por eliminarmos o gás carbônico emitido pelas chaminés das indústrias poluidoras instaladas nas grandes metrópoles. Há mais de um século passado, o ilustre brasileiro Almirante Barroso disse a célebre frase que hoje repito, “O Brasil espera que cada um cumpra com seu dever”. Entendam, somos os guardiões desse imenso patrimônio biogenético da humanidade, nada mais justo que nos paguem regiamente o nosso trabalho. Temos cumprido fielmente nossa missão mantendo intacto todo esse patrimônio, esperamos tão somente que nos compreendam e nos deixem trabalhar em paz.

(*) Dauro Fernandes Braga é empresário do Comércio.

Esta Coluna é publ/icada às quartas, quintas e sextas-feiras, de responsabilidade do CIEAM. Editor responsável: Alfredo MR Lopes. cieam@cieam.com.br

Seja o primeiro a comentar on "Buracos do Distrito são excluídos na Batalha do Asfalto"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.