Abono do Fundeb motiva guerra de informação entre candidatos no 2° turno

Wilson Lima e Amazonino Mendes iniciam campanha de segundo turno polêmica de fake news (Foto: Facebook/Reprodução)

Por Felipe Campinas, da Redação

MANAUS – O segundo turno da campanha eleitoral no Amazonas começou com uma guerra de notícias falsas e verdadeiras sobre o pagamento do abono com dinheiro do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica), que foi autorizado pela Justiça Eleitoral na segunda-feira, 8, e será pago no dia 15 pelo governo do Estado.

Na terça-feira, 9, a assessoria jurídica do candidato Wilson Lima (PSC) entrou com ação no TRE-AM (Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas) pedindo que o governador Amazonino Mendes (PDT), que disputa a reeleição, seja proibido de usar o pagamento do abono aos professores para promover a candidatura dele no segundo turno.

Sites de notícias, blogs, perfis nas redes sociais e até mesmo uma entrevista em uma rádio local passaram a veicular informações falsas sobre o pedido feito pelos advogados de Wilson Lima.

Na manhã desta quarta-feira, 10, durante uma entrevista a uma rádio de Manaus, o governador Amazonino Mendes foi questionado sobre a ação de Wilson Lima no TRE-AM. O apresentador fez a seguinte afirmação: “O seu adversário parece que entrou na Justiça, o radialista Wilson Lima, que é outro candidato nesse segundo turno, contestando esse pagamento”.

Mendes aproveitou o “embalo” para reafirmar a falsa informação e disse que “se fosse ele, não entraria na Justiça” porque é “muito grave tolir o direito dos outros” e que os políticos devem respeitar “tudo o que é benéfico para o cidadão”. O candidato do PDT também fez a propaganda do pagamento do abono pelo Governo do Amazonas.

“É preciso saber que isso eu não estou fazendo porque quero fazer, não. Estou fazendo isso porque é minha obrigação. Eu tenho a obrigação de fazer isso. O professor ganha pouco, então toda oportunidade que se tiver para melhorar a situação financeira e econômica do professor é obrigação de qualquer um no Brasil”, afirmou o governador.

A afirmação do apresentador do programa confundiu os eleitores do candidato do PSC, que foram até as redes sociais dele questionar a veracidade da informação.

Wilson Lima divulgou um vídeo na página dele no Facebook para explicar que a ação na Justiça Eleitoral foi para questionar o uso dos professores “como ferramenta eleitoral”. O candidato também contestou o vídeo em que o secretário de Educação Lourenço Braga anuncia o abono e disse que o pagamento não é um presente, mas um direito dos professores.

Lima aproveitou para dizer que em um eventual governo dele “o professor vai ser valorizado durante todo o mandato, e não só na época da campanha eleitoral”. “Você não vai ter que esperar até a eleição para receber o pagamento do abono do Fundeb”, afirmou o candidato.

Seja o primeiro a comentar on "Abono do Fundeb motiva guerra de informação entre candidatos no 2° turno"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.