A “Justiça com as próprias mãos” não é justa, em nenhum caso

SÃO PAULO – O menino Kayube era um estudante de 16 anos que sonhava, dedicava-se aos estudos no Colégio Militar e nos finais de semana ia à igreja com sua mãe, era um menino comum como tantos outros adolescentes da periferia de Manaus mas, a vida de Kayube foi roubada de forma covarde e cruel.

O adolescente foi espancado até a morte no final da tarde do domingo (6) na rua Paranacaxi, na comunidade Val Paraíso, na Zona Leste de Manaus. A família disse que o rapaz foi confundido com um homem suspeito de roubo e um grupo de pessoas formado por mototaxistas e populares o agrediram.

Por causa da falha na segurança pública e a decepção popular com a justiça as pessoas envolveram-se em um sentimento de revolta que causa essa certeza absoluta de que a “justiça” com as próprias mãos é necessária.

Acontece que esse sentimento nunca será eficiente, se não tivermos consciência de que casos como esses estarão muito mais propensos a acontecer, o erro continuará sendo praticado.

Um grupo de pessoas confundiram o menino com um suposto ladrão que rondeava o bairro. Kayube não teve tempo de nada, foi morto à pauladas na rua da sua casa os “justiceiros” levaram seus pertences e junto com eles a sua vida.

Denuncie, ligue para a polícia mas não se torne um assassino. A “justiça com as próprias mãos” é de nenhuma forma justa!

Seja o primeiro a comentar on "A “Justiça com as próprias mãos” não é justa, em nenhum caso"

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.